Carta aberta aos novos professores de cursos online

carta aberta aos novos professores online

O momento chegou e a tão temida passagem para o digital é uma necessidade. Se é verdade que muitos professores não vão se adaptar ao ensino remoto, ensino a distância ou, para usar o termo mais adaptado ao momento, educação mediada por ferramentas digitais, outros estão descobrindo uma grande oportunidade.

Nesse artigo/carta eu não pretendo discutir as condições em que esse processo está acontecendo pois eu nem me sinto capacitada para isso. Como bem falou a Profa. Patrícia Rodrigues, minha convidada na Aula Gratuita ao Vivo

os professores estão “trocando pneu com o carro andando”.

Não, ninguém teve tempo de se preparar para a pandemia e nem para ver as escolas no mudo inteiro sendo fechadas do dia para a noite.

Por isso, mais uma vez, esse não será o meu tema nessa carta (minha admiração e meu respeito pelos colegas que estão fazendo o impossível para que seus alunos continuem aprendendo apesar de todas essas dificuldades só cresce!).

Minhas palavras aqui são para os professores que estão descobrindo o ensino a distância, ou a educação mediada por ferramentas digitais, como uma possibilidade para suas carreiras.

A docência livre e online é uma grande oportunidade!

A docência online, como forma empreendimento e/ou renda-extra para professores não é uma nova possibilidade. Ela é a realidade de milhares de professores.

Contudo, e estamos vendo essa realidade estampada nas nossas telas, saber ensinar online, já é uma necessidade para a carreira docente no seu todo.

Nesta carta eu reuni perguntas e respostas reais que eu espero ser úteis para todos os leitores. Fique à vontade para responder e para compartilhar!

Carta aberta aos novos professores de cursos online

(respostas a uma jovem professora)

Em primeiro lugar gostaria de dizer que fico muito honrada em saber que estou entre as pessoas que admiras na nossa profissão! Eu sou professora por opção, de formação e de coração e por isso, podes acreditar na frase anterior.

Vamos tentar então:

Como gerenciar a expectativa dos alunos de acharem que você sempre terá a resposta?

O primeiro passo é aceitar para si mesma que é impossível ter sempre a resposta para tudo. Nem os grandes gênios têm, muito menos nós e os outros professores ao nosso redor.

Quando nós aceitamos isso, temos coragem de dizer frases simples como:

– não sei, mas vou me informar o mais rápido possível (se for algo relacionado diretamente com o nosso trabalho, nosso tema, nossa disciplina) para trazer uma resposta adequada;

– não sei, é melhor te informares junto aos órgãos/ pessoas/ professores competentes para isso (se não for da tua disciplina, do teu conhecimento)

– não sei e esse assunto não está entre os meus interesses (se não queres falar sobre isso)

Todos os dias eu recebo perguntas sobre questões jurídicas e contábeis por exemplo. Coisa que eu não posso responder, sob pena de dar uma informação errada e ser culpabilizada por isso.

Da mesma forma como a pergunta “vale a pena publicar um curso online aqui ou ali?” sempre vai ficar sem resposta minha pois eu não me sinto capaz de responder isso para ninguém.

Tem gente que não gosta disso? Muita gente! Contundo, eu não preciso temer uma responsabilidade que não é minha.

Como professores nós temos responsabilidade sobre as informações, dados e “conteúdos” que oferecemos para nossos alunos dentro e fora da sala de aula.

Eles confiam na nossa palavra, nas nossas indicações, no que falamos, no que postamos nas redes sociais, no que fazemos, nas pessoas com quem nos relacionamos.

Por isso, ter a consciência de que nós não temos a sabedoria absoluta ao ponto de ter respostas e opinião sobre tudo, é essencial para nós mesmos e para nossos alunos.

Como criar empatia dentro de uma aula online?

Acho que queres saber como ganhar a simpatia dos alunos, né?

Criar empatia seria querer que os alunos se colocassem no lugar uns dos outros ou no meu lugar (empatia é se colocar no lugar do outro para tentar compreendê-lo sem julgar)

Já a simpatia é esse sentimento afetuoso que faz com a gente se sinta bem e à vontade perto de outra pessoa.

Nesse caso, o melhor é tentar ser o mais natural possível, sempre imaginando que estamos em uma conversa com a outra pessoa.

Como tu farias aquela aula, aquele vídeo se estivesses em uma sala de aula física?

Essa naturalidade para falar com a câmera, criar videoaulas e cursos online não nos é dada a todos… a maioria de nós (e se olhares alguns dos meus vídeos antigos no youtube ou participares dos meus primeiros cursos online, verás claramente a minha luta 😊) precisa de muito exercício e de tempo para conseguir.

Nossas primeiras aulas online são tão engessadas quanto nossas primeiras aulas presenciais. Nós geralmente, temos tudo planejado nos mínimos detalhes e por medo de errar, parecemos robozinhos. É normal e, assim como na sala de aula, nós ganhamos confiança e naturalidade com a técnica aliada à prática.

O Ensino a Distância é uma metodologia de ensino e como toda metodologia, tem também a teoria e todas as diferentes vertentes.

Eu sigo a vertente conectivista por exemplo e acredito na humanização do ensino a distância.

Aqui, na parte da humanização, entra a empatia, mas sou eu quem precisa dela para:

tentar entender as dificuldades dos alunos relacionadas ao conteúdo a ser ministrado e com isso, criar um programa e uma sequência de aulas que atenda às necessidades (para isso, eu sempre procuro fazer aquela pesquisa que eu ensino para vocês no curso)

tentar entender as dificuldades técnicas dos alunos para poder facilitar o acesso à plataforma e aos materiais

tentar não esquecer que meus alunos não têm a mesma formação, a mesma leitura nem a mesma experiência de vida que eu. Isso me ajuda na hora de facilitar ao acesso às referências bibliográficas, encontrar exemplos e vocabulário adequados, etc.

compreender que os alunos estão inseridos em contextos geográficos, econômicos e socio-culturais muito diferentes. Eu tenho alunos em 101 países agora e eu mesma moro no exterior há 19 anos. Mesmo se pensarmos somente no Brasil, já podemos ter uma mera noção da “distância” entre um aluno e outro.

aceitar que meu curso não é prioridade na vida do meu aluno: nós professores temos a arrogância de achar que nosso curso, nossa “matéria” tem um valor inestimável na vida dos nossos alunos. Contudo, não tem! Tudo está disponível na internet e o nosso papel é triar, organizar, estruturar, facilitar e humanizar! Para todo o resto, tem o google 😊

Além disso, os alunos do EaD e em especial dos cursos livres, não procuram essa modalidade porque querem ser obrigados aprender segundo as regras de alguém. Eles buscam o EaD pela flexibilidade, pela mobilidade, pela facilidade e pelo descompromisso com as obrigações da escola formal.

Grande parte dessas pessoas, têm família, trabalho, preocupações mil, contas para pagar e estuda online “quando pode”. A maioria deles estudam online por opção e não por obrigação, entende? E isso, isso muda tudo na relação professor-aluno, aluno-conteúdo, aluno-plataforma.

O ensino a distância é mais do que a criação de cursos online

Criar cursos online está ao alcance de todos. Fazer da produção de cursos e conteúdo informativo em formato digital um negócio também.

Contudo, o ensino a distância é uma metodologia de ensino, antes de ser um negócio digital.

Se você não está chegando aqui agora, você que eu fiz do ensino a distância o meu negócio: eu ajudo profissionais das mais diferentes áreas de atuação a criar cursos e negócios online.

Entre cursos, palestras, mentorias e inúmeros e-mails com pedidos de ajuda e de “dicas” eu vejo algumas perguntas que se repetem com muita frequência, como por exemplo:

Entre muitas outras questões que eu reuni nesse post:

Contudo, poucas pessoas me enviam perguntas como essa aluna e futura professora.

Também, raramente as pessoas conseguem entender que curso online não é um negócio e, assim como criar um curso não é suficiente para fazer um negócio digital crescer, também não basta ter um negócio bem estruturado para que um curso online alcance seus objetivos.

Falamos um pouco sobre isso nessa Aula Gratuita ao Vivo:

Ensinar online é uma ótima oportunidade de negócio

Sim, ensinar online é uma ótima oportunidade de negócios (um negócio em pleno desenvolvimento!) , mas ensinar online é muito mais do que um negócio!

Se você quer empreender online, conheça o projeto Digital sem Mistérios

Se você quer aprender ensinar online, conheça o curso Como criar um curso online?

Se você quer criar cursos e gerar renda na Udemy, conheça o curso Como criar cursos e gerar renda na Udemy.

Conhece mais alguém querendo ensinar online?

Exerça sua generosidade e compartilhe:

Tem algo a dizer? Deixe seu comentário e participe da conversa!